quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Observação de aves na Fazenda Lagoa do Coração



Vista parcial da fazenda                                                                                                                 Foto de Alexandre Picoli




   

  Bom caros observadores!  A tempos que meu grande amigo Cleberton, sugeriu da possibilidade de que eu  assumisse a bronca aqui com os relatos de nossas saídas a campo. O que pra mim seria um grande desafio, e por isso de início relutei.   Bom......desafio aceito!  Agora vamos ao que interessa!
        Começamos o mês de agosto com um final de semana pra lá de especial. Pegamos a estrada rumo ao município de Rio Pardo, mais precisamente Fazenda  Lagoa do Coração. Por lá encontrando-se com o pessoal de Encruzilhada do Sul, João Santos e Rodrigo Azambuja, e participando pela primeira vez de nossas saídas Caio Belleza vindo de Bagé, assim como Cristina, que veio de lajeado com  Cleberton Bianchini e Ricardo Lau, que passando por Santa Cruz  pegaram o Samuel Oliveira, que os aguardava. Juntando-se ao grupo mais tarde, eu Alexandre Picoli, Gabriela Santos e meu irmão André Picoli, vindos de Cruzeiro do Sul.


Da esquerda para direita: Caio, Rodrigo, Cleberton, André, Alexandre, Ricardo, Cristina, João, Samuel e Gabriela.


        Com os amigos nos esperando na sede da fazenda, o Cleberton nos aguardava na entrada principal. Antes disso, já anoitecendo, a observação já se iniciava durante o trajeto, vários indivíduos da espécie Nyctidromus albicollis ( Bacurau) se apresentaram a beira da estrada, possibilitando fotos.



Nyctidromus albicollis  ( bacurau)                       Foto de Alexandre Picoli
         Chegando no local do encontro,  e já cheios de ansiedade para a tão aguardada corujada, saímos por volta das 19:30h em direção a lagoa. A noite se apresentava clara, devido a linda lua cheia, costeamos a mata em direção  norte, onde vocalizavam algumas Megascops choliba ( corujinha do mato). Não sei quanto a vocês , mas para mim corujas são demooooois!  Atraída pela reprodução de playback, um indivíduo da espécie se aproximou, possibilitando que todos conseguissem fotografar. Tocamos em frente, tentamos atrair outras espécies, sem muito sucesso. Ao longe se escutava um Nyctidromus albicollis ( bacurau) soltando a voz. Já no caminho de volta encontramos um casal de Hydropsalis torquata ( bacurau tesoura), espécie de bacurau mais comum na região dos vales. O macho assim que nos viu alçou voo pra longe, mas a fêmea não, nos permitindo bastante aproximação, sem se importar muito.
           Quando fazemos algo que gostamos, como no caso da observação de aves, o tempo passa voando, literalmente. Já no relógio marcava 22:45h , então fomos em direção a sede, onde mais tarde a janta ficaria por conta do pessoal de Encruzilhada, churrasco com direito a linguiça campeira e aquela carne de patrão, assim acostumando  mal o pessoal mais ao norte da região dos vales. Saciamos a fome enquanto os assuntos ( aves é claro) eram colocados em dia, após nos recolhemos, pois o dia de domingo prometia.
Megascops choliba ( Corujinha do Mato)
Foto de Alexandre Picoli

Hidropsalis  torquata ( Bacurau Tesoura- Fêmea)
Foto de Alexandre Picoli
Carne de Patrão                    Foto de Rodrigo Azambuja
Confraternização obs: O esbranquiçado da foto é fumaça mesmo.
Foto de Rodrigo Azambuja


       No domingo pela manhã, todos de pé cedinho. A noite durante a corujada, estávamos receosos quanto a possibilidade de densa neblina, o que felizmente por sorte não se confirmou. Acabou é sendo uma espetacular e linda manhã, especial para fotografar. O sol no horizonte nos dava boas vindas anunciando um grande dia.
Amanhecer do dia imagem 1            Foto de Cleberton Bianchini

Amanhecer do dia    Imagem 2                                                                                                             Foto de Gabriela   Santos                    
         
        Foi quando saímos atrás da bicharada, que logo de cara foram se apresentando. Ao lado da sede, juntos com aves mais comuns, vocalizava uma Xolmis cinerea  (primavera), ave que habita campos abertos, pronuncio do que viria em seguida. O Cairina moschata ( Pato do Mato) já iniciava seu dia sobrevoando o local. Seguimos em direção a primeira lagoa, vários Galligula chloropus ( Frango dágua comum), Jacana jacana  (Jaçanã) e um casal de Podilympus podiceps  ( Mergulhão Caçador) chamaram nossa atenção, observamos que o casal de mergulhão havia nidificado as margens da lagoa. Enquanto os registrávamos com foto, escutei ao longe um som que para mim era desconhecido, e quando isso acontece, me deixa ao mesmo tempo atento quanto feliz, pois isso é uma grande oportunidade de se conhecer uma espécie diferente. E foi o que aconteceu. Não há nada melhor do que a sensação de se observar uma espécie pela primeira vez.
         A estrela do dia! Alguns do grupo já haviam registrado a espécie em outra oportunidade. Já eu o André e o Caio não. Então foi uma festa! Cistothorus platensis  ( Corruíra do campo)! Deu um show! Cantando empoleirada em galhos logo acima da vegetação do banhado, posição perfeita para excelentes fotos e até vídeo. Não é Caio Belleza? Neste mesmo instante , alguém avisa. "Tem um Geranoaetus albicaudatus  ( Gavião de Rabo Branco) no eucalipto"!  O que para mim também era novidade fotográfica, pois sempre que o vejo, é voando, pousado é bem mais difícil. Não pensei duas vezes, continuei clicando a  Corruíra, pois foi ela o motivo pelo meu deslocamento de Cruzeiro a Rio Pardo. Neste mesmo banhado registramos o Emberizoides herbicola  ( Canário do Campo), dupla felicidade , outra novidade.
 

Emberizoides herbicola (Canário do Campo)
Foto de Alexandre Picoli                               


Podilymbus podiceps ( Mergulhão Caçador)
Foto de Alexandre Picoli                            




             Seguimos dando continuidade a passarinhada, o local era exuberante, coxilhas cobertas de campos, onde ovelhas e cordeirinhos pastavam tranquilamente.    Passando a primeira coxilha encontramos o segundo banhado, esse mais seco, não havia  lagoa no local, o Samuel e o Cleberton já observavam algo. Outra Cistothorus platensis ( Corruíra do Campo).  Ali foi o local onde ela nos deu o maior mole, posava de tudo quanto era jeito, a menos de três metros do grupo, que ensandecidos clicavam sem parar.      

                     
Cistothorus platensis ( Corruíra do Campo)
Foto de Alexandre Picoli                             
Local do registro da Corruíra do Campo
Foto de Gabriela Santos                         
     

          Já na beira da lagoa, paramos para tirar uma foto do grupo, várias espécies vocalizavam: Aramus guarauna ( Carão), Pardirallus sanguinolentus ( Saracura do Banhado), Aramides ypecaha (Saracuruçu), o Cairina moschata ( Pato do Mato) alçou voo da outra margem, Anhinga anhinga         ( Biguatinga), sobrevoava o local bem no alto, Paroaria coronata ( Cardeal) cantavam na copa das árvores, junto a eles estavam alguns da espécie  Paroaria capitata ( Cavalaria), alguém avistou que empoleirado do outro lado do campo havia um Heterospizias meridionalis ( Gavião Caboclo) só na espreita. Ao longo da margem , a mata nos apresentava outras aves:  Trogon surrucura (Surucuá Variado), Cranioleuca obsoleta ( Arredio oliváceo), Saltator similis ( Trinca Ferro Verdadeiro), Coereba flaveola ( Cambacica), Phylloscartes ventralis ( Borboletinha do Mato), Turdus albicollis  (Sabiá coleira) entre outros.
         Nesse momento, o grupo meio que se desencontrou , pois cada um estava com objetivos de registros diferentes. A expectativa era grande, existia a possibilidade de se encontrar o  Crotophaga major ( Anu Coroca), supostamente escutado na primeira vez que o grupo visitou o local, mas infelizmente não se confirmou. Nos encontramos um pouco mais tarde , assim retornamos, já se aproximava do meio-dia. Perguntado ao outro grupo sobre novidades, mas nada de muito diferente  fora avistado.

Imagem da volta                             Foto de Gabriela Santos
           A o meio-dia o João preparou um excelente carreteiro de charque com o Cleberton de auxiliar, enquanto o pessoal confraternizava e jogava conversa fora, momento que é tão importante quanto a observação de aves propriamente dita.
           Após o almoço, descansamos e começamos a se organizar para nossa partida. Enquanto isso a observação não parava , outras espécies foram acrescentadas a lista  da fazenda como: Elaenia flavogaster ( Guaracava de Barriga Amarela)  e o Circus buffoni ( Gavião do Banhado), avistado pelo pessoal sobrevoando o banhado.
As vezes a captura das imagens são outras, ângulos e objetivos diferentes. Como a imagem acima.
Foto de Gabriela Santos 


                                                                                                                                                                                  O final de semana foi sensacional, reencontramos amigos , novas amizades foram feitas , espécies novas foram observadas , algumas comuns, que nem por isso perdem seu encanto, outras mais difíceis de serem observadas, e assim proporcionando imensa felicidade ao grupo, que em comum, compartilha da mesma paixão, que é observar e fotografar aves. Ao mesmo tempo em que nos despedíamos, desejamos ao nosso amigo biólogo Samuel, sucesso e boa sorte em sua nova jornada de estudos, doutorado nos Estados Unidos. Boa sorte amigo!
              Fico por aqui, lembrando que o relato foi descrito por um entusiasta fotógrafo de aves, que pouco ou nada tem de cientifico. 


Até a próxima!


                           Segue a lista das espécies observadas no local.http://ebird.org/ebird/view/checklist/S38516265

9 comentários:

  1. Parabéns Alexandre,ficou excelente o teu relato e também as fotografias.
    O blog ficou em ótimas mãos !!!!
    Aproveito para dizer que foi muito bom estar presente nesta saída e que foi uma honra conhecer vocês.
    Até então eu só conhecia pessoalmente,o Cleberton e o Samuel.
    O João Batista e o Rodrigo,só conhecia pelo Facebook.
    E tu e teu irmão só conhecia pelo Wikiaves.
    O resto da turma não conhecia ninguém.
    Mas foi justamente com esta intenção que me desloquei tantos kilometros,pois pra mim fazer novas amizades e tão prazeroso quanto fotografar as aves.
    Estar na despedida do amigo Samuel também foi especial.
    Muito obrigado pela maneira na qual fui recebido,e espero em breve poder retribuir aos amigos,recebendo a toda a turma aqui em Bagé.
    Grande abraço a todos !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Caio! Qualquer dia desses temos que marcar uma saída por essas bandas daí! Quero conhecer a famosa Bagé!

      Excluir
  2. Essa corruíra do campo não consta na minha lista ainda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos, no local referido no relato ela é relativamente comum, e bem fácil registrar. Abraço!

      Excluir
  3. Sensacional!! Devido à compromissos pessoais, eu não pude ir com o Caio nessa indiada com vocês. Fico muito feliz de saber que a "cultura dos blogs" está crescendo no nosso estado!! Segue firme nesse trabalho, pois é sensacional ler esses relatos. Sempre que leio, sinto que estou junto!! Parabéns!!

    Segue meu blog: raphaelkurzbirding.blogspot.com

    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Também acompanho teu blog, li o relato da tua saída com o pessoal de Florianópolis, e como você disse, senti que estava com vocês. Muito bom! Obrigado pela visita.

      Excluir
  4. Parabéns, Alexandre! ficou muito bom o teu relato com as fotografias. Gostei da anotação de que para o observador de aves, o tempo passa voando...

    Abraço

    ResponderExcluir